(11)

(11)

Mesa Cirúrgica Veterinária

Contar com uma mesa cirúrgica veterinária é de importância primordial para estabelecimentos que atuam no trato de animais, visto que esse tipo de equipamento é o grande responsável por posicionar o pet e permitir que os procedimentos cirúrgicos sejam realizados com maior facilidade e eficiência. Um dos principais diferenciais que a mesa cirúrgica veterinária possui é o seu material de fabricação, o aço inoxidável, que confere uma elevada resistência e durabilidade para a estrutura e consequentemente um excelente custo-benefício.

A melhor alternativa em mesa cirúrgica veterinária

Não perca mais tempo e conheça a alta qualidade dos produtos que a Metalvet oferece para seus clientes. Entre em contato agora mesmo.

Mesa cirúrgica veterinária: saiba os procedimentos de esterilização e como higienizar

A mesa cirúrgica veterinária é um dos acessórios mais importantes dentro da clínica. No entanto, é necessário assegurar que esteja adquirindo a opção de melhor qualidade e tenha as informações mais precisas em questão de higienizar e esterilizar. Afinal, tudo que envolve a superfície pode influenciar na saúde do pet a ser examinado e os que entrarão em seguida.

Conheça os materiais a serem deixados à disposição próximos da mesa cirúrgica veterinária e como higienizar toda a superfície exposta.

O que é uma mesa cirúrgica veterinária?

Mesa cirúrgica veterinária é o nome dado objeto de apoio para consultas e cirurgias dentro de um consultório ou clínica veterinária. Sua função é primordial e a presença crucial, pois foi criado para tornar o processo de operações e consultas o mais funcional possível.

A estrutura tem a altura modulável, um tampo de chapas de aço inoxidável, com um rebaixo em formato de ‘X’ que auxilia no escoamento de líquidos ao espaço em formato de círculo criado para facilitar no processo de limpeza.

A mesa cirúrgica veterinária é o apoio durante cirurgias, contudo é necessário que em sua volta e apoios tenham outros objetos:

  • ferramentas para corte e incisões: lâminas de bisturi, tesouras cirúrgicas de ponta fina-fina e ponta romba-romba. São os objetos usados após a aplicação da anestesia para ter acesso à área que será operada;
  • hemostasia: pinças hemostáticas mosquito de Hausted, pinça hemostática de Kelly, pinça crile e pinça hemostática de Ochsner reta. Estas são as ferramentas utilizadas para tirar corpos suspeitos de dentro do paciente, além de funcionarem como auxílio para pegar pedaços pequenos ou permitir que a visualização em determinada seja mais acurada;
  • síntese: porta agulhas e fio de sutura. Ao fim da operação, estes objetos são fundamentais para suturar a pele que cobre a área operada. A agulha curvada permite que os pontos sejam dados com a precisão e facilidade;
  • auxiliares: compressas de algodão, cuba para iodo povidona, pinças backaus, afastador e pinças Allis. Aqui estão os objetos usados ao longo da cirurgia para limpar, segurar e secar o lugar operado;

Tudo isso deve estar disposto próximo à mesa cirúrgica veterinária, para facilitar o acesso e tornar a operação o mais tranquila possível.

Como esterilizar a mesa cirúrgica veterinária?

Uma parte importante de qualquer operação cirúrgica é a esterilização do ambiente e, sobretudo, a superfície cirúrgica. Para isso é necessário um cuidado especial e utilizar as técnicas certas. Esses cuidados são obrigatórios por lei.

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) tem a publicação de resolução 1015, definindo critérios objetivos mínimos para garantir um funcionamento eficiente de estabelecimentos médico-veterinários, focando-se em animais de pequeno e médio porte. Essa mesma resolução trata dos equipamentos básicos para uma cirurgia segura:

  • mesa cirúrgica veterinária impermeável de fácil higienização;
  • equipamentos de anestesia inalatória, compostos por ventiladores mecânicos;
  • aparatos para monitorização anestésica, cobrindo temperatura corporal, oximetria, pressão arterial não-invasiva e eletrocardiograma;
  • iluminação emergencial e foco cirúrgico;
  • instrumentação e paramentação de qualidade e quantidade apropriada para a rotina a ser realizada, pois a reutilização de determinados materiais é impossível por conta do risco à vida do bichinho;
  • aspirador cirúrgico;
  • mesa auxiliar;
  • o ambiente em volta também precisa ser impermeabilizado para facilitar a higienização, característica que será observada pela legislação;
  • sistema funcional para provisão de oxigênio;
  • colchão térmico ou um sistema de aquecimento apropriado;
  • ferramentas básicas para intubação endotraqueal;

Tendo toda a paramentação, instrumentação e equipamentos necessários, a lei também exige que a esterilização seja feita constantemente, para a segurança de todos os frequentadores do ambiente (tutores, funcionários, veterinários e, claro, pets). Para uma higienização adequada.

Para a esterilização da mesa cirúrgica veterinária, pode-se feita a partir da aplicação de álcool 70% na superfície e uso do calor úmido (em 15 minutos a 121ºC ou em 3 minutos a 132ºC), ou calor seco (6 horas a 121ºC, 1 hora a 170ºC ou em 30 minutos a 180ºC). Para isso é usado a técnica de autoclave ou estufa.

Para maiores informações, entre em contato com a Metalvet através do telefone, e-mail, formulário disponibilizado pelo site ou visitando nossa clínica na Casa Verde, em São Paulo.

.